Quem sou eu

Minha foto
...uma criatura magrela e um ser que deixa a desejar no quesito beleza; ao me ver tenho certeza que não darias nada por mim, mas ao levar um papo tenho certeza que pelo menos um dinheiro pro café,você vai dar !

sábado, 22 de agosto de 2009

Alô Sociedade,sou poeta (BELA ESPÉCIE)

Já é noite,e eu,depois de ter lido alguns artigos na internet,depois te ter falado com alguns amigos e conversado com a Mila ao telefone,me vejo puxado ao meu blog para dizer...há algo a esclarecer,passei um recado a uma amiga,perguntei-lhe se não queria fazer uma certa parceria,ela aceitou...
Quero falar dos adolescentes poetas,dos jovens poetas adolescentes.

Esses que usam palavras melosas e antigas(que besteira,as palavras são as mesmas,só não as usam como antes),chamam suas namoradas de "meu amor",dão flores,choram sem vergonha nenhuma(quando vale à pena),dedicam canções,são compreensivos a toda e qualquer idéia,adoram a chuva e todas as fases da natureza(encontram dentro dela um motivo poético,uma razão para os acontecimentos pequenos e simples aos quais ninguém repara),lêem livros de poesias por puro gosto,que adoram discutir sobre o capitalismo,a política e a complexidade do ser humano mas ao mesmo tempo acham isso muito feio e uma perda de tempo,preferem dar mais importância ao simples,o que não envolve dinheiro e muita complexidade,são românticos em sua maioria,pois o amor não tem preço(vi isso em um comercial de uma certa marca de cartão de crédito,hehehe),venho falar desses que ainda acreditam em uma epifania mundial.

Esses "poetas" por assim dizer,oras,são gente também e pra ser mais específica,também são adolescentes,e,como outro qualquer adolescente na intimidade com os seus "amores" também praticam carinhos sórdidos e mau vistos pela "opinião pública",eles já se masturbaram ou se masturbam,já assistiram pornôs,já experimentaram álcool(alguns por curiosidade,drogas e outras coisas mais...),e quantos desses não transaram com uma de suas namoradas de uma forma nada romântica ou poética,ha.
Não quero colocar os tais jovens poetas como hipócritas(nunca ofenderia o amigo,claro),mas eles não estão a salvo da própria humanidade,não são santos,declaro e afirmo com convicção.Eles também têm seus momentos de puro "besteirol",mas ao contrário dos demais mantêm sua plenitude romântica,humilde e intelectual(e aqui pra nós,arrebatam como ninguém suas namoradas com poemas em declarações e até flores).Ah,em sua maioria são quase fanáticos por futebol(alguma coincidência?!),tem momentos de mudanças de humor repentinas e certas crises de melancolia.Mas o que que realmente os diferencia daqueles conhecidos como "amantes",caracterizados muitas vezes por suas "pegadas" e belos rostos é a facilidade e a habilidade com que expressam na hora certa,sentimentos,palavras,como se desculpam,o encanto está na forma como realmente amam,e por isso,às vezes fazem sofrer também suas companheiras,sim,há jovens poetas safados,como em toda classe na vida,se podemos chamar de classe,no meu ver,estes poetas são de outra espécie.apenas nasceram no lugar errado,ou não,talvez vieram a nós como um alerta ou como alguma lição que ainda não aprendemos.


E estes raros representantes do amor e do romantismo continuarão fazendo seus versos,mandando suas flores,chamando de "amores" seus AMORES.continuaram a chamar músicas de canções,acreditarão sempre e mais em seus "corações" e continuarão a achar no nascer e no pôr do sol,motivos para seus poemas,como sei de tudo isso?

Sou adolescente.
Luciana Pravi e Allan Bonfim.

quarta-feira, 19 de agosto de 2009

Biscoitos Montreal

sentada ali estava a criança,com seu saco de biscoito na mão,ela não parecia esperar nada da vida,não parecia ter nenhuma ambição,a não ser correr atrás da bola com seus amiguinhos e das pipas nas tardes de sol,comer o bolo quentinho de sua avó,correr na pracinha próxima a sua casa,visitar o zoológico no domingo com seus pais,rolar na grama,pular o muro do vizinho(só pra pular),ir à praia com seus tios e primos e gastar toda a mesada nos fantasiosos jogos do fliperama da padaria próxima dali,parecia só desejar isso,

e era somente o que desejava.

Allan Bonfim.

sábado, 15 de agosto de 2009

Mãe... (Coisas Belas)

Um dia quente esse que passou, já tarde da noite eu me deito e logo pego no sono e a partir daí,eu entro no mundo paralelo ao real,um mundo que talvez seja o real.Eu sonho com uma senhora,mas não sei,eu não posso...não consigo ver seu rosto,eu tenho a certeza que a conheço e a abraço bem forte,ela não nega o abraço e me acolhe bem forte em seu colo.Incomparável alegria e satisfação me traduzem nesse momento,e me sinto como uma criança que ganha seu brinquedo ou que corre livre com os bracinhos abertos na chuva,é a alegria de estar completo,não por uma alma-gêmea,é algo maior,que já faz parte de você há muito tempo e posso jurar que reconheceria esse perfume de longe.
Ela se senta ao meu lado,pega o livro que estou lendo,ela não diz uma palavra mas posso sentir sua voz claramente.Então eu a olho e feliz descubro que sim,era o rosto q'eu desejava ver,entro em pleno estado de graça olhando aquela face que há tanto não via...
- é você.(é tudo que eu consigo dizer)

Ela continua a olhar o tal livro e eu,como pudesse me nutrir da imagem de seu rosto,continuo a observar,sorrindo,sorrindo...finalmente me encara,me puxa junto ao seu colo e me faz carinhos e afagos,aqueles que só ela sempre soube fazer.
Uma inevitável lágrima escorre ao meu rosto,eu sei que vai ser difícil,tê-la comigo de novo mas mesmo assim me rendo aos seus carinhos e durmo tranquilo no colo dessa senhora que me pôs aqui,cuidou de mim...ainda sinto ela dizer:
- como cresceu seu cabelo...eu sorrio em pensamento(ela nunca gostou dos meus cabelos grandes) Eu apago,tudo apaga e logo acordo,dessa vez no mundo real,olho ao lado e ela não está, já sabia,pois as melhores coisas,as mais profundas e que sempre nos acompanham nunca se deixam a vista no mundo real,elas simplesmente estão lá,ou aqui do meu lado.

A você que partiu tão cedo,mal ensinou-me a viver,saiba que nos momentos de mais pura felicidade,de sucesso e de alegria,eu sempre terei um pouco em mim de você, Dona Andrea.

sexta-feira, 14 de agosto de 2009

Camila

Venho dizer mais em desabafo do que em apelo,por todo esse tempo que passei e espero ainda passar com ela,que encontrei naquela festa,dublando meio sem jeito àquela música,com aquele rosto lindo.
- oi,o que faz aqui sozinha?
- nada,só tô aqui.
- quer companhia?

- claro,porque não.
Mesmo achando que aquela permissão se deu mais pelo nível de álcool do que por encantamento ou simpatia,eu investi no que parecia me encaminhar a mais uma ficada de fim de festa,(comparada a outras tantas,era uma recompensa e tanto...)eu só não imaginava que,pra minha sorte,a história com a minha cinderela bêbada não terminaria com aquela festa.Começamos a trocar palavras por "msn",depois por telefone e tivemos enfim nossa segunda festa,ali já éramos como dois namorados.Então começamos a sair nos fins de semana e dar aquela fugida no meio também,foram tantos lugares e momentos,mas nenhum se compara ao pôr do sol no leme.

A luz vai abaixando seu tom amarelo aos poucos e como pura magia,o flash do sol atravessando o horizonte anuncia que o mesmo já se vai,e imediatamente um manto anil cai sobre o Rio mostrando milhares de pontos luminosos no céu,(na verdade eram estrelas,mas queria deixar mais poético)o vento gelado do mar sopra na direção da gente,ela me pede que a abrace,eu o faço e sussurro em seu ouvido:
- eu te amo
- quê?(pergunta,dengosa,adora ouvir declarações)
- disse que te amo,minha bela...surdinha.
- também te amo,meu magrelinho.
Sorrimos,nos levantamos da areia e seguimos pelo calçadão,cruzando com pessoas que passavam por nós,e por mais impressionante que seja,nos olhavam,como quem diz:
- lá se vão dois apaixonados...
O tempo passou e juntos a gente fez a "coisa" aumentar,ela tomou grande proporção,talvez nem caiba mais no "coração",não significa que acabou ou esgotou-se,pode estar numa nova fase,depende de mim,depende dela,depende nada...

EU TE AMO.

quinta-feira, 13 de agosto de 2009

Três anos se foram e você está comigo...

Vento no litoral (Legião Urbana)

De tarde quero descansar,
Chegar até a praia e ver
Se o vento ainda está forte
E vai ser bom subir nas pedras
Sei que faço isso pra esquecer
Eu deixo a onda me acertar
E o vento vai levando tudo embora

Agora está tão longe
Vê, a linha do horizonte me distrai:
Dos nossos planos é que tenho mais saudade,
Quando olhávamos juntos na mesma direção

Aonde está você agora
Além de aqui dentro de mim?

Agimos certo sem querer
Foi só o tempo que errou
Vai ser difícil sem você
Porque você está comigo o tempo todo
E quando eu vejo o mar,
Existe algo que diz,
Que a vida continua
E se entregar é uma bobagem

Já que você não está aqui,
O que posso fazer é cuidar de mim
Quero ser feliz ao menos
Lembra que o plano era ficarmos bem?

- Ei, olha só o que eu achei: cavalos-marinhos
Sei que faço isso pra esquecer
Eu deixo a onda me acertar
E o vento vai levando tudo embora